Continuando…

Lembro-me de quando cheguei em Paris, ainda sozinho, havida chego depois de uma viagem de ônibus até que descontraída… lembro-me de ter chego pela manhã , aquele dia havia uma leve nevoa cobrindo a cidade e o tempo era bem frio e eu não entendia quase nenhuma das placas de sinalização. Sorte que havia comprado um dicionário de bolso para o Auxilio … tinha que encontrar o local onde eu moraria. Depois de algum tempo de busca finalmente encontrei aquela rua, que ficava mais pro interior da cidade… Cidade fria com povo frio, confesso que Paris quando cheguei me decepcionou bastante.. o calor humano deles e amplamente diferente de nós Brasileiros, já havia escutado isso quando morava no Brasil, porém sinceramente.. sentir isto na pele é quase macabro…

Finalmente havia chego em meu novo lar, era um local pequeno .. bem pequeno, uma cozinha que cabia apenas uma pessoa tinha um fogão ao lado da pia, uma sala com três poltronas e sem televisão.. mas tinha um espaço razoável, um banheiro pequeno , porém suficiente e o quarto que me agradara, tinha uma cama de casal e um espaço de estudos com uma escrivaninha, colado nas paredes beges do local, tinha uma guarda roupas com 2 portas, o suficiente para uma pessoa… bom.. sendo bancado pela bolsa que ganhei, o local está de bom tamanho.

Passavam-se já 3 dias desde que cheguei, era um sexta feira.. e na próxima segunda começavam as aulas.. eu nesses dias busquei estudar muito a língua Francesa, mas tinha uma grande dificuldade.. estava eu no “Airport de Royssi” esperando minha namorada e seu irmão… pude notar a diferença total da receptividade dos Europeus, chegavam pessoas e pessoas, e seus familiares apenas faziam um cumprimento básico, sem muito estardalhaço e emoção.. era tão robótico e .. chato.  Para melhorar as coisas o Avião deles já estava atrasado em uma hora, devido a uma chuva forte durante a viagem eles precisaram fazer uma ponte em Portugal.  Esperei por mais 30 minutos até que vi aquele garoto com cara de assustado olhando para os lados .. era Herculano, nunca senti tanta felicidade em vê-lo, me sentia sozinho naquele país diferente… cheguei perto de Herculano e o cumprimentei, quando ia perguntar sobre sua irmã consegui a avistar, aquela menina baixinha com uma mala 3x maior que seu próprio corpo, com uma cara amassada de sono e com os olhos implorando por ajuda. Eu como bom namorado que sou parti para ajudar, dei um abraço longo e um beijo nela, estava com saudades demais… Minha surpresa foi quando fui pegar a mala, tive que disfarçar demais para que não notassem que eu estava achando aquilo extremamente pesado, mas consegui por alguns metros até chegarmos no taxi.

Já naquele dia a noite, combinei com os 2 para que saíssemos para jantar fora, seria minha primeira refeição fora da minha própria casa, e também queria sentir um pouco do “calor Brasileiro” , mesmo cansados eles aceitaram minha proposta. Durante a noite fomos a um restaurante que me fora recomendado pelo porteiro do prédio. Ao anoitecer fui no apartamento deles para sairmos. Quando fui recebido por Yolanda meu coração disparou, ela estava linda, eu lembro que naquela época era um garoto apaixonado na primeira relação da minha vida… e lembro-me também o quão feliz fiquei ao ver  quão bela ela havia ficado pra mim.. Herculano veio logo atrás e tivemos um breve dialogo … ele não gostava de falar muito, mas era meu amigo desde que havia conhecido sua irmã, sempre nos apoiou.

Já no restaurante haviam pratos diversificados, coisas que eu nunca ouvi dizer, então fui nas já conhecidas…. graças a Deus havia picanha naquele local .. o restaurante tinha uma luz meio fraca, para combinar com o clima calmo do lugar, a musica ao vivo era leve e fluida também, seria um excelente local para um encontro romântico se não existisse uma vela.. mas tudo bem.. estava tudo muito divertido, 3 adolescentes começando uma vida nova fora do País com total liberdade, e responsabilidade sobre seus atos. Durante a noite havíamos bebido um pouco além do normal.. nada para que fosse passado vergonha, mas quebrou nosso gelo.  A ponto de que quando os artistas que estavam ali tocando uma musica ao vivo terminaram, tive coragem de pedir ao gerente do estabelecimento que cantássemos um pouco, estávamos no fundo achando aquilo uma loucura, mas com certeza estávamos adorando a possibilidade. Foi obvio que foi extremamente difícil convence-lo a nos deixar tocar ali… eu arranhando um Francês tentando convencer uma pessoa.. foi um pouco complicado, mas no fim das contas ele nos deixou, após eu falar nossa historia musical, e o motivo de estarmos ali.
Tocamos musicas lentas com os instrumentos que já ali tinham, de qualidade razoável, porém melhor do que eu tinha em casa… lembro-me que tocamos umas 8 musicas para o povo ouvir… Sei que fomos tão bem sucedidos que o gerente nos convidou para que fizéssemos sempre que pudéssemos alguns Shows ali no fim de semana, com o nosso jantar por conta da casa… era uma troca sensata com certeza, tínhamos pouco dinheiro e qualquer tipo de coisa grátis, em troca de algo que gostávamos de fazer era bem vindo..

Chegava o grande dia, acordei naquela manha de segunda feira e me arrumei para “Universidad d’ Musique” em Paris, era praticamente uma investida rumo ao desconhecido, mas um desconhecido que me acordava por dentro e que eu não tinha medo de desvendar, fui de taxi até a tal faculdade junto com Yolanda e Herculano .. Ao chegar me deparei com uma bela universidade, era feita de tijolos daqueles estilo de chaminé, com suas cores naturais, não sei descrever bem, sei que era belo bonito, havia uma estatua de um saxofone na porta, devia ter quase 2 metros de altura.. mas Saxofone não era minha praia.  Entrei no corredor principal da faculdade e nas paredes haviam fotos de nomes famosos da musica mundial que cursaram ali, e não eram poucos… haviam diplomas originais deles na parede como autógrafos .. fotos das visitas deles depois da fama.. tudo muito empolgante, aquilo me fazia ter segurança que eu trilhava o caminho certo.. Estavamos realmente empolgados com aquilo tudo, aquele mundo novo que eu começava a me acostumar.

Cheguei em minha sala de aula, gigantesca por sinal… era parecida com o senado em Brasilia, claro que menor… as cadeiras eram acolchoadas com um apoio a frente para escrever, o quadro negro era gigantesco, a sala  tinha espaço para algo em torno de 100 alunos… muito bonita e organizada, sentei-me ao lado de Yolanda, e do meu lado sentou-se uma menina branca, de cabelo preto que ia nos ombros e com um corpo bonito, era muito bonita a menina em si , eu me assustei com extroversão dela, simplesmente não demonstrou nenhum tipo de vergonha em se enturmar, falou que estava no restaurante aquela noite, e que haviamos mandado muito bem nas musicas. Falou que era de Rennes e havia mudado pra Paris a poucos dias para começar a cursar ali. Durante toda aula , sempre que podia ela entrava em contato conosco, ela havia agradado a todos nós com sua postura de “tomar atitude” , almoçamos juntos, nós 4 ali durante o horário do almoço, antes das aulas da tarde… Foi um dia bem louco, quando uma menina bem louca apareceu …


Mal nós sabíamos que ela seria uma das estrelas de “Meme’s Rock!!” , banda nossa que viria a ser criada alguns meses depois.. porém isto já é outra história..

Seguindo em frente

Alguns meses se passaram depois que conheci Yolanda e seu irmão, éramos todos apaixonados por musica… Como eu não tinha dinheiro para comprar um piano, instrumento que eu mais gostava, formei uma banda com eles e cantávamos em pequenas festas e em restaurantes pé-rapados,  nunca chamamos a atenção por nada demais.. íamos e cantávamos o que nos pediam nos bares e afins..  Com as gorjetas eu podia ajudar em casa e a vida financeira ficou ao menos estável, vivíamos eu e minha mãe apenas para pagar contas quase.

Em um dia comum, recebi uma ligação de meu ex-professor da escola de musica eufórico, avisando-me sobre um concurso que o governo estava organizando para pagar bolsas para músicos irem estudar na França, em uma das Universidades de musica mais renomadas do mundo. O concurso era nacional e as vagas eram apenas 17 .. como Yolanda e Herculano faziam musica comigo na mesma escola musical deveriam também saber deste concurso, liguei então para ela e ela de fato já sabia, tínhamos pouco mais de 1 mês para estudar, até as provas ..

 

A possibilidade de uma vida nova em uma carreira que era nosso sonho nos dava forças para que ficássemos horas estudando, claro que as vezes parava para namorar um pouco, enquanto o “vela” tocava os instrumentos de corda dele pra relaxar, e devo confessar, ele era fera naquilo… Normalmente estudávamos na minha casa, minha mãe estava empolgada tanto quanto nós com esta possibilidade, por mais que ela tivesse medo de ter que me deixar ir, ela levava bolinho de chuvas e biscoito durantes nossas sessões de estudo, nesta época havíamos parado de tocar em locais públicos para focar nos estudos…

Todos nosso esforço foi recompensado, fizemos a prova e os 3 passaram entre os cinco primeiros, o que confesso que não me surpreendia, não existia nada de musica que não sabíamos, historias de todos os tipos, da musica Africana até o Heavy Metal … fizemos uma festa para comemorar com muita musica, é claro.. Minha mãe dividia o choro de orgulho e “tristeza” com a noticia, mas não parava de fazer docinho e todas aquelas guloseimas que eu , e meus amigos adorávamos … consegui naquela festa reunir meus amigos de infância que sempre me apoiaram na carreira musical, estava com coração apertado em ter que deixa-los para trás, porém era minha carreira que estava em jogo.. foi um dia inesquecível aquele..

Os dias se passaram, e faltava um dia para que eu fosse para Paris, meu novo lar.. meu apartamento já estava selecionado, com o governo pagando os primeiros meses, e depois eu mesmo assumiria pois a Universidade me daria uma ajuda de custo,  minha namorada e seu irmão viajariam apenas cinco dias depois de mim, eles iriam de avião pois são de uma família mais bem sucedida , eu iria de navio para Portugal, consegui uma viagem gratuita com um amigo de meu falecido pai, que trabalhava no Porto, naqueles navios cargueiros.. a viagem não seria muito confortável, mas tudo bem.. era de graça..

No dia seguinte, era o grande dia.. provavelmente um dos mais importantes da minha vida.. minha mãe havia me levado no seu carro até o Porto e conosco estava Yolanda, que foi se despedir de mim também, por mais que fosse voltar a vê-la em breve… chegamos no Porto e entramos em contato com Juliano, era o nome do rapaz que me embarcaria… despedi de minha mãe que estava aos prantos e me desejando sorte, meu coração ficou apertado em deixa-la para trás.. mas com a tecnologia do mundo de hoje poderia falar com ela todos os dias.. estava levando meu notebook e havia outro PC em casa, nosso contato poderia ser diário, coisa que a acalmou um pouco… dei um abraço em minha mãe e a prometi que a daria uma vida que ela merecia em não muito tempo… e fiz uma promessa que tocaria no grande evento que ocorre todo ano no Rio de Janeiro “The Megadome” , então defini que aquela era a data que voltaríamos a nos ver…  Dei um beijo de despedida em minha namorada e rumei para o navio. Confesso que me surpreendi , apesar de ser um navio de carga havia algum certo conforto dentro dele, a cama era ótima, existia um frigobar .. mas nos dias que fiquei La eu gostava mesmo era de ficar no convés olhando aquile mar e pensando no meu futuro… Eu era um garoto apaixonado, pensava alem da minha carreira no meu futuro com Yolanda, em filhos e coisas deste tipo.  Passado alguns dias chegamos em Portugal, a língua apesar de ser a mesma, era bastante diferente e tive algumas dificuldades… agradeci muito a Juliano pela travessia do Atlantico, e agora eu deveria andar com minhas próprias pernas… Fui a rodoviária em Porto , e para minha surpresa havia um ônibus que iria direto a París… e era diário, aquilo me gerou uma pequena surpresa, pois no Brasil é normal você ter ônibus para estados dentro do próprio território.. olhe os destinos dos ônibus naquela rodoviária e tinha “Italia, França, Alemanha”  … já sabia que a Europa era de países colados e bem menores que o Brasil, mas minha idéia sobre o transporte era pequena.

Comprei a passagem e dormi em um hotel, viajaria na noite do dia seguinte.. fiquei em um hotel barato pois não tinha muito dinheiro… mas estava tão cansada que dormi como um anjo… estava prestes de pegar o ônibus para a cidade onde começaria a escrever minha nova história… a minha e a do mundo da musica.

O Inicio…

Bom, primeiramente vou me apresentar… sou Gaspar Verissimo um rapaz de dezesseis anos, quase 17 … porém meu presente conto mais para frente… falarei agora um pouco sobre meu passado..

Desde pequeno sempre fui destacado na escola em todas as matérias, era um aluno com notas exemplares porém não gostava muito de estudar, para ser bem sincero, não gosto.  Minha mãe diz que tenho um Q.I muito alto e que aprendia tudo vendo apenas uma vez.. suponho que ela tenha razão.. vai saber..  Aprendi a tocar violão ainda jovem, com uns 11 anos eu já sabia várias letras e aprendia com velocidade… A verdade é que sempre gostei de musica, de todos os tipos.. para ser bem sincero tipos de musicas como Rap , Funk e essas musicas com batida muito forte nunca me agradaram.. enfim.. cada um com suas preferencias..


Com 12 anos entrei em uma escola de musica, pedi a minha mãe, era uma coisa que eu gostava e depois da escola não tinha o que fazer em casa, ficava entediado e precisava fazer algo, a musica sempre foi um gosto meu bem exaltado, e decidi ir mais por passa tempo e aprimorar minhas habilidades musicais… porém lá descobri uma coisa que não imaginava, Meu professor de canto me disse que eu tinha um talento vocal incrivel, e que se fosse desenvolvido com o devido cuidado, eu poderia me tornar um musico renomado no Brasil. Aquilo me encheu de gás é claro, um garoto de 12 anos recebendo tamanho elogio de um professor é sempre uma coisa especial… com o tempo fui treinando apenas o básico no violão, que era minha intenção prinicipal ao entrar aqui…

Com 14 anos minha vida continuava em tese a mesma coisa, escola durante a manhã, e escola musical escola musical passei a fazer 2 horários diários.. havia conseguido desenvolver minha voz, eu ja fazia algum sucesso entre meus amigos nas rodinhas que faziamos nas praias algumas noites… Eu cantava e tocava meu velho violão durante várias horas para pessoal… sinto saudades daqueles tempos que sei que não voltam mais…

Infelizmente alguns dias antes de uma apresentação minha para um publico convidado da escola de musica meu pai veio a falecer em um acidente de automóvel… eu por mais frio que sempre parecia ser, sofri bastante aquela perda, sempre sonhava ver meu pai no publico comigo cantando, depois que ele me levasse em algum lugar para comemorarmos ou coisas do tipo, ele sempre foi afetivo e me deu apoio, lembranças tristes.. mas me fizeram amadurecer como homem.. Quanto a apresentação foi um sucesso.

Porém o que podia ser o inicio relampago de uma carreira musical, foi a ultima vez que eu estive ali, para estudar ou me apresentar… com a morte de meu pai minha mãe ficou deprimida, e apenas ao meu lado ela conseguia ter animo para fazer as coisas, por mais que ela não quisesse que eu parasse com as aulas de musica eu parei, precisava apoiar minha mãe que sempre me apoiou… foi um periodo complicado da minha vida, continuei estudando para manter-me bem musicalmente… eu tinha uma meta na vida que era ser um cantor famoso , e para isso não podia deixar para trás o que ja tinha aprendido.  Minha mãe perdeu o emprego, pois onde ela trabalhava exigia dinamismo dos funcionarios,  e ela desanimada como estava não agradava mais, as contas começaram a ficar mais altas do que recebiamos mensalmente, tinhamos guardado no banco um pouco do dinheiro que meu pai havia guardado, o que foi o que nos salvou por alguns meses… Com 15 anos comecei a trabalhar para ajudar em casa, não tinha carteira assinada nem nada, mas recebia um salário bem interessante.. para ser sincero o Salário era ruim, porém eu trabalhava em um clube como ajudante, haviam varias apresentações musicais lá, eu ganhava muito dinheiro com gorjetas a mim dadas por alguns musicos famosos, eu tinha conhecimento da maioria dos instrumentos musicais, e os ajudava afinado e passando o som .. sempre fui meio cara de pau, oferecia minha ajuda e pronto.

Na escola eu estava no segundo grau já, mudei de escola este ano, e por coincidência cai na sala de uma menina que estudava na mesma escola de musica que eu, nunca nos falamos e nem nada do tipo, ela era de outra turma.. a que era focada em percussão… mas enfim, ela sempre chamava minha atenção por parecer uma pessoa decidida nas escolhas e no que queria … durante aquele ano descobri que se chamava Yolanda … lembro-me da primeira vez que falei com ela, do dia que a pedi em namoro e de todas as coisas que vivemos juntos até hoje… estamos namorando a pouco mais de 1 ano… Ela tinha um irmão gêmeo, chamado Herculano..  hoje sou muito amigo dele.. mas o ciume dele no inicio do namoro meu com sua irmã, me fez pensar em mata-lo algumas vezes.. hehe, força de expressão.

Bom, continuo escrevendo um pouco mais da minha história até os dias de hoje no próximo post… 🙂